Biografia

João Barcelos possui uma pintura classificada no meio artístico de figurativa, mas acredita que esteja longe de ser uma pintura realista ou detalhista. Os contornos não são rígidos nem há o compromisso de uma retratação fotográfica. Ela é desenvolvida através de cores suaves e harmoniosas, em que toda a beleza do contraste entre luz e sombra é habilmente explorada. Essas características fazem-no aceitar que seu estilo seja impressionista. Entretanto, o fato de procurar externar seus sentimentos através de algumas pinceladas soltas e aparentemente incontroladas, pode-se dizer que é impressionista com toques expressionistas. A contemporaneidade do seu trabalho é expressa na utilização de recentes materiais de pintura, assunto que é grande estudioso, como pode ser atestado em seus artigos, que se transformaram num   Livro.  Na seção de  Pinturas  é apresentada uma descrição detalhada do seu trabalho no contexto da História da Arte.

O desenho faz parte de sua vida desde suas mais remotas lembranças. Seus primeiros quadros a óleo foram pintados ainda criança, com a idade de 12 anos, motivado por jovens amigos e sob a orientação de uma professora de artes do seu bairro. Entretanto, a sua formação profissional não começou pela Arte. Durante a vida, aprendeu a ser Físico, após uma passagem de cerca de 10 anos pela carreira militar. Concluiu o bacharelado em Física na UERJ, tirou o mestrado e o doutorado na UFRJ e fez dois pós-doutorados nos Estados Unidos, no Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Rochester. No início da carreira foi Professor da UERJ e, mais tarde, chegou a Professor Titular do Instituto de Física da UFRJ (todas as posições foram atingidas por concurso público). Deu aulas das mais variadas disciplinas, tanto na graduação como na pós-graduação, e ocupou quase todos os cargos administrativos (Chefe de Departamento, Diretor de Pós-Graduação, Vice-Diretor e Diretor do Instituto). Também trabalhou intensamente em pesquisa (a Física Quântica foi sua especialidade), publicando uma centena de  trabalhos científicos.  Toda essa história aparece contada num  depoimento  apresentado nas comemorações dos 45 anos do Instituto de Física.

Apesar de tudo isso, a Arte nunca deixou de estar presente em suas atividades. Mesmo às vezes pintando e desenhando de forma esporádica, sempre aproveitou suas viagens ao exterior para visitar museus e galerias.

Foi partir do ano de 1990 que decidiu arrumar mais tempo para a pintura. Começou frequentando as aulas do Professor Álvaro Xavier, no seu famoso Ateliê Flutuante da Praia da Bandeira, na Ilha do Governador, onde suas filhas tinham aulas de desenho e aquarela. Permaneceu aí por cerca de seis meses, onde aprendeu, além dos fundamentos profissionais da pintura a óleo, os cuidados com a qualidade do material e os requisitos básicos de uma boa pintura, pontos marcantes no trabalho do Xavier. Também desenvolveu o gosto pela pintura ao ar livre, um hábito que mantém até hoje.

Naquela oportunidade, passou a conviver com experientes artistas que frequentavam o Barco-Ateliê e a acompanhar alguns deles nas saídas para pintar. Muito aprendeu na companhia de dois grandes artistas, Sidney Lacé e Mário Teixeira. Passou, também, a frequentar a Sociedade Brasileira de Belas Artes, participando principalmente dos Salões. Não foi aluno de nenhum curso da Sociedade, mas reconhece ter aprendido muito e ter definido sua técnica ouvindo os valiosos comentários e sugestões do Professor Dario Silva.

Durante algum tempo, teve o privilégio de participar do grupo de pintura dos Professores Alberto Nunes e Eduardo Carlson. Isto foi para ele uma escola à parte. São dois excelentes artistas e o estilo solto e suave da pintura do saudoso Alberto Nunes muito o influenciou e, confessa: "Farei o possível para jamais perder esta influência. Ter visto o  Alberto  pintar está entre as minhas mais agradáveis recordações. Sem dúvida, era um artista abençoado".

Houve também um período, embora curto, de aulas de modelo vivo com o Professor Bandeira de Melo. Essas aulas ajudaram-no a aprimorar seu desenho e a evoluir artisticamente através do imenso mundo de conhecimento de que o Professor Bandeira é possuidor.

Assim, até o final de 2002 foi igualmente Físico e Pintor. Embora sejam duas atividades aparentemente antagônicas, elas seguiram paralela e harmoniosamente no seu dia-a-dia. Talvez apareçam nos seus quadros através da harmonia entre luz e sombra ou no convívio pacífico entre cores quentes e frias. Enquanto Físico, usou a Arte para sentir a harmonia e a beleza, muitas vezes escondidas, nas equações de sua pesquisa, e enquanto Artista usou a Ciência para tentar entender os mistérios sobre composição e harmonia de formas e cores. Atualmente, a Arte é sua principal atividade. "A Física continua como um elo racional e indispensável com o mundo em que vivo".

Durante todo este período de ininterrupta atividade artística, obteve mais de duzentas premiações nos mais diversos salões e encontros de pintura. Dentre estas destacam-se cinco viagens ao exterior (quatro à Europa e uma aos Estados Unidos), várias viagens pelo Brasil e mais de setenta Medalhas de Ouro e Troféus Melhor Quadro. Ficou por duas vezes entre os cinquenta finalistas no tema Paisagens na difícil competição promovida pela revista The Artist's Magazine, Ohio, EUA, em que o número geral de participantes é da ordem de dez mil. Ficou também entre os sessenta finalistas brasileiros no III Salão Maimeri Latino Americano, em que o número de inscrições foi quase quatro mil (os quadros finalistas participaram de exposições no Memorial da América Latina, São Paulo, e no Palais de Glace, Buenos Aires, Argentina). Recebeu a Láurea Acadêmica de Ouro, como reconhecimento do seu trabalho, pela Academia Brasileira de Belas Artes, e medalha de bronze no 54° Salão Paulista de Belas Artes, promovido pelo Governo do Estado de São Paulo. Já fez nove exposições individuais onde destaca Hoje Vendo o Rio de Ontem, no Conjunto Cultural da Caixa RJ, e Impressionismo Quântico, no Espaço Furnas Cultural. Participou também de mais de cem exposições coletivas, com destaque para Livre Olhar sobre a Paisagem no Museu Antônio Parreiras, em que foi agraciado com o Troféu Aluízio Valle, um dos saudosos artistas que inspiraram a realização dessa mostra. Atualmente dedica-se à atualização permanente do seu site, que considera uma forma moderna e eficiente de mostrar seu trabalho para todo o mundo.

Possui obras reproduzidas nos livros A Arte em Teresópolis (Zem Gráfica e Editora Ltda - 1999, Teresópolis), Arte Carioca (Zem Gráfica e Editora Ltda - 2000, Teresópolis), Arte e Artistas (Casa do Restaurador - 2000, 2001, 2002 e 2003, São Paulo), Catálogo da Indústria da Moda do Estado do Rio de Janeiro (EBGE - 2002), Arte Especial - Grandes Nomes da Escultura e Pintura Brasileira (Speedy Graph Impressão Digital - 2004, Teresópolis), SOLARTE: Do Sonho à Realidade (Speedy Graph Impressão Digital - 2004, Teresópolis), Sociedade Brasileira de Belas Artes - Sua história e seus artistas - 96 anos (Gráfica e Editora Andrômeda - 2006, Rio de Janeiro), Gallery Art Brazil II (Gráfica e Editora Del Rey - 2009, Minas Gerais), SociedadeBrasileira de Belas Artes - 100 anos (Editora Comunità Ltda - 2010, Rio de Janeiro), Art Gallery in Brazil - Perfil da Arte Contemporânea Brasileira (Editora Art Club - 2010, Minas Gerais) e capas de cadernos da Casa Cruz (Edição Comemorativa - 110 anos). Possui quadros em vários acervos particulares e oficiais, como Prefeitura do Rio de Janeiro (Parques e Jardins), Prefeitura de Angra dos Reis, Casa de Cultura de Teresópolis, Casa de Cultura de Saquarema, Clube Naval, Museu dos Fuzileiros Navais, Clube Militar, Base Aérea do Galeão, Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Associação Nikkei do Rio de Janeiro, Escola Superior de Guerra, Tijuca Tênis Clube, Iate Clube Jardim Guanabara, Academia Militar das Agulhas Negras, Polícia Militar do Rio de Janeiro, Prefeitura de Belford-Roxo, Forte São João, Fortaleza de Santa Cruz, Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, Casa do Estudante do Brasil, Fundação de Artes da Prefeitura de São Gonçalo, Sociedade Brasileira de Belas Artes, Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Palácio da Fazenda RJ etc.

 Página inicial      Sair